sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Lucid beauty




Há pouco mais de um mês eu completei 24 anos e junto com a minha nova idade, veio uma cidade nova, uma pós-graduação numa escola que parece um clube, - bem que no verão os meninos podiam ir de sunga pra aula! - um novo lugar pra morar, um outro quarto. Nesse novo quarto, o espelho fica ao lado da minha escrivaninha e por essa razão eu passei a me olhar mais no espelho. E do dia para a noite, notei algumas rugas (!!!) em volta dos meus olhos. São discretas, de longe nem dá pra perceber e mesmo de perto requer boa observação daqueles que têm um olhar mais atento. Mesmo assim, logo que as constatei, providenciei um creme antissinais. Mas aconteceu que o tempo foi passando e esses “sinais”, foram se transformando nas minhas linhas de expressão. Eu fui convivendo e aprendendo a gostar de sua singularidade, linhas únicas e somente minhas, tão minhas! Aprendi a gostar delas, assim como acho natural e não me incomodam mais as minhas olheiras... Just in case, eu continuo com o creme, mas feliz com a composição do meu rosto e dos sinais só meus. Afinal esses sinais formam as linhas que sustentam a minha expressão facial. São os contornos que se mostram quando eu dou risada, quando eu choro, quando eu me comunico com as pessoas e se moldam  principalmente quando algo me toca e me co-move. Por isso, cabe a mim a aceitação.

4 comentários:

Gian Fabra disse...

perdão pela intromissão nesse seu cantinho, mas como caí aqui, deixo um recado.

24 anos e preocupada com as rugas???
rsrsrs
claro que tem um quê de exagero nisso, mas eu te digo uma coisa, tudo que o tempo nos tira em beleza, vitalidade, saude, etc... nos dá em troca em sabedoria.

e é uma troca justíssima =)

a_girl_feeling disse...

hahah Na real, Gian, é mais uma percepção/constatação do que preocupação propriamente! ;) É uma troca digníssima!

Priscilla Marchetto de La Rocque disse...

rs. doçura nati! sabe q eu tb me pego observando "meus traços do tempo"..sinal q vivemos...q temos histórias..

bjinhus!

a_girl_feeling disse...

É verdade Pri, primeiro o estranhamento, mas depois essa sensação de vida, de movimento! bjsss